Você está em: Home -> Artigos -> ESPIRITUALIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ESPIRITUALIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

08.06.2010

O Coração de Jesus 1

 As palavras do profeta Isaías, “tirareis água com alegria das fontes da salvação” (Isaías 12,3), que dão início à encíclica com a qual Pio XII recordava o primeiro centenário da extensão a toda a Igreja da festa do Sagrado Coração de Jesus, não perderam nada de seu significado hoje, cinqüenta anos depois. Ao promover o culto ao Coração de Jesus, a encíclica “Haurietis aquas” exortava aos crentes a abrir-se ao mistério de Deus e de seu amor, deixando-se transformar por ele. Cinqüenta anos depois, continua em pé a tarefa sempre atual dos cristãos de continuar aprofundando em sua relação com o Coração de Jesus para reavivar em si mesmos a fé no amor salvífico de Deus, acolhendo-o cada vez melhor em sua própria vida.
 O lado transpassado do Redentor é o manancial ao qual nos convida a acudir a encíclica “Haurietis aquas”: devemos recorrer a este manancial para alcançar o verdadeiro conhecimento de Jesus Cristo e experimentar mais profundamente seu amor. Deste modo, poderemos compreender melhor o que significa conhecer” em Jesus Cristo o amor de Deus, experimentá-lo, mantendo o olhar nEle, até viver completamente da experiência de seu amor, para poder testemunhá-lo depois aos outros. De fato, retomando uma expressão de meu venerado predecessor, João Paulo II, “junto ao Coração de Cristo, o coração humano aprende a conhecer o autêntico e único sentido da vida e de seu próprio destino, a compreender o valor de uma vida autenticamente cristã, a permanecer afastado de certas perversões do coração, a unir o amor filial a Deus ao amor ao próximo. Deste modo – e esta é a verdadeira reparação exigida pelo Coração do Salvador – sobre as ruínas acumuladas pelo ódio e a violência poderá edificar-se a civilização do Coração de Cristo” (“Insegnamenti”, vol. IX/2, 1986, p. 843).
 
Conhecer o amor de Deus em Jesus Cristo
 
 Na encíclica “Deus caritas est” citei a afirmação da primeira carta de são João: “Nós conhecemos o amor que Deus nos tem e cremos nele” para sublinhar que na origem da vida cristã está o encontro com uma Pessoa (cf. n. 1). Dado que Deus se manifestou da maneira mais profunda através da encarnação de seu Filho, fazendo-se “visível” nEle; na relação com Cristo, podemos reconhecer quem é verdadeiramente Deus (cf. encíclica “Haurietis aquas”, 29,41; encíclica “Deus caritas est”, 12-15). Mais ainda, dado que o amor de Deus encontrou sua expressão mais profunda na entrega que Cristo fez de sua vida por nós na Cruz, ao contemplar seu sofrimento e morte podemos reconhecer de maneira cada vez mais clara o amor sem limites de Deus por nós: “tanto amou Deus ao mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que crer nele não pereça, mas que tenha vida eterna” (João 3, 16).
 Por outro lado, esse mistério do amor de Deus por nós não constitui só o conteúdo do culto e da devoção ao Coração de Jesus: é, ao mesmo tempo, o conteúdo de toda verdadeira espiritualidade e devoção cristã. Portanto, é importante sublinhar que o fundamento dessa devoção é tão antigo como o próprio cristianismo. De fato, só se pode ser cristão dirigindo o olhar à Cruz de nosso Redentor, “a quem transpassaram” (João 19, 37; cf. Zacarias 12, 10). A encíclica “Haurietis aquas” lembra que a ferida do lado e as dos pregos foram para numeráveis almas os sinais de um amor que transformou cada vez mais incisivamente sua vida (cf. número 52). Reconhecer o amor de Deus no Crucificado se converteu para elas em uma experiência interior que as levou a confessar, junto a Tomé: “Meu Senhor e meu Deus!” (João 20, 28), permitindo-lhes alcançar uma fé mais profunda na acolhida sem reservas do amor de Deus (cf. encíclica “Haurietis aquas”, 49).
 
Experimentar o amor de Deus dirigindo o olhar ao Coração de Jesus Cristo
 
 O significado mais profundo desse culto ao amor de Deus só se manifesta quando se considera mais atentamente sua contribuição não só ao conhecimento, mas também, e sobretudo, à experiência pessoal desse amor na entrega confiada a seu serviço (cf. encíclica “Haurietis aquas”, 62). Obviamente, experiência e conhecimento não podem separar-se: um faz referência ao outro. Também é necessário sublinhar que um autêntico conhecimento do amor de Deus só é possível no contexto de uma atitude de oração humilde e de disponibilidade generosa. Partindo dessa atitude interior, o olhar posto no lado transpassado da lança se transforma em silenciosa adoração. O olhar no lado transpassado do Senhor, do qual saem “sangue e água” (cf. Gv 19, 34), nos ajuda a reconhecer a multidão de dons de graça que daí procedem (cf. encíclica “Haurietis aquas”, 34-41) e nos abre a todas as demais formas de devoção cristã que estão compreendidas no culto ao Coração de Jesus.
 A fé, compreendida como fruto do amor de Deus experimentado, é uma graça, um dom de Deus. Mas o homem poderá experimentar a fé como uma graça só na medida em que ele a aceita dentro de si como um dom, e procura vivê-lo. O culto do amor de Deus, ao que convidava aos fiéis a encíclica “Haurietis aquas” (cf. ibidem, 72), deve nos ajudar a recordar incessantemente que Ele carregou com este sofrimento voluntariamente “por nós”, “por mim”. Quando praticamos este culto, não só reconhecemos com gratidão o amor de Deus, mas continuamos nos abrindo a esse amor, de maneira que a nossa vida vai ficando cada vez mais modelada por ele. Deus, que derramou seu amor “em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (cf. Romanos 5, 5), nos convida incansavelmente a acolher seu amor. O convite a entregar-se totalmente ao amor salvífico de Cristo (cf. ibidem, n. 4) tem como primeiro objetivo a relação com Deus. Por esse motivo, esse culto totalmente orientado ao amor de Deus que se sacrifica por nós tem uma importância insubstituível para nossa fé e para nossa vida no amor.
 
Viver e testemunhar o amor experimentado
 
 Quem aceita o amor de Deus interiormente fica plasmado por ele. O amor de Deus experimentado é vivido pelo homem como um “chamado” ao que tem que responder. O olhar dirigido ao Senhor, que “tomou nossas fraquezas e carregou nossas enfermidades” (Mateus 8, 17), nos ajuda a prestar mais atenção no sofrimento e na necessidade dos demais. A contemplação, na adoração, do lado transpassado da lança nos sensibiliza frente à vontade salvífica de Deus. Torna-nos capazes de confiar em seu amor salvífico e misericordioso e, ao mesmo tempo, nos reforça no desejo de participar em sua obra de salvação, convertendo-nos em seus instrumentos. Os dons recebidos do lado aberto, do qual saíram “sangue e água” (cf. João 19, 34), fazem que nossa vida se converta também para os outros em manancial do qual emanam “rios de água viva” (João 7, 34 – cf. encíclica “Deus caritas est”, 7). A experiência do amor surgida do culto do lado transpassado do Redentor nos tutela ante o risco de nos prendermos em nós mesmos e nos faz mais disponíveis para uma vida para os outros. “Nisto conhecemos o que é o amor: em que ele deu sua vida por nós. Também nós devemos dar a vida pelos irmãos” (I João 3, 16 – cf. encíclica “Haurietis aquas”, 38).
 A resposta ao mandamento do amor se faz possível só com a experiência de que este amor já nos foi dado antes por Deus (cf. encíclica “Deus caritas est”, 14). O culto do amor que se faz visível no mistério da Cruz, representado em toda celebração eucarística, constitui, portanto, o fundamento para que possamos converter-nos em instrumentos nas mãos de Cristo: só assim podemos ser arautos críveis de seu amor. Esta abertura à vontade de Deus, contudo, deve renovar-se em todo momento: “O amor nunca se dá por “concluído” e completado” (cf. encíclica “Deus caritas est”, 17). A contemplação do “lado transpassado pela lança”, na qual resplandece a vontade infinita de salvação por parte de Deus, não pode ser considerada portanto como uma forma passageira de culto ou de devoção: a adoração do amor de Deus, que encontrou no símbolo do “coração transpassado” sua expressão histórico-devocional, continua sendo imprescindível para uma relação viva com Deus (cf. encíclica “Haurietis aquas”, 62).
 Com o desejo de que o qüinquagésimo aniversário sirva para estimular em tantos corações uma resposta cada vez mais fervorosa ao amor do Coração de Cristo, envio-lhe, reverendíssimo padre, e a todos os religiosos da Companhia de Jesus, sempre sumamente ativos na promoção dessa devoção fundamental, uma especial bênção apostólica.
 

O Coração de Jesus é uma escola de amor

“O lado aberto de Jesus é uma escola de amor. Contemplando-o somos irresistivelmente conquistados pelo amor” e, assim, nos unimos a Cristo para viver com Ele a experiência da oblação e da reparação: eis o nosso carisma dehoniano, o nosso jeito de ser do Coração de Jesus.
Contemplar o Coração de Jesus é contemplar sua própria pessoa; é no fundo contemplar o amor de Deus que se revela em Cristo, porque Deus é amor (1Jo 4,8). Um amor que se manifesta na doação da própria vida para fazer a vontade do Pai. Um amor que se faz eucaristia. Contemplar o Coração de Jesus é adorar a Cristo eucarístico. Por isso, somos convidados a esta vida de interioridade, de intimidade ao Coração de Jesus na eucaristia, valorizando a Santa Missa e a adoração eucarística tendo-os como ponto fundante de nossa espiritualidade.
Este amor à eucaristia e, portanto, ao Coração de Jesus, nos faz oferenda ao Pai. Nos unimos a oferta perfeita de Cristo, para sermos também nós oferenda agradável. Ofertamos com Cristo nossa vida no espírito do “Eis que venho ó Pai para fazer a tua vontade” (Hb 10,7), abandonando-nos totalmente à vontade de Deus. Queremos ser um outro Cristo para o mundo revelando o Amor em palavras e atitudes de testemunho.
Também aprendemos de Cristo a reparação. Cristo dá a vida por amor. Dá a vida para nos resgatar, nos libertar, nos amar. Um amor que se rasga na lança que transpassa o coração (Jo 19,34). É vítima de reparação, restituindo na terra a caridade, reconquistando o coração do homem com apropria vida, porque “quem ama dá a vida por seus amigos” (Jo 15,13). Vivemos a reparação, procurando infundir o a amor na sociedade, restaurando corações feridos, denunciando injustiças, pregando o amor.
Portanto, ser do coração de Jesus é reproduzir este divino coração de uma maneira especial e distinta, segundo as nossas possibilidades e como a graça nos inspira: um coração que ama, se imola e não deixa jamais de se doar.

O Coração de Jesus, protótipo da criação 2

O Coração de Jesus, que na plenitude dos tempos seria aberto para expressar da maneira mais culminante o amor de Deus por suas criaturas começou a ser revelado no Princípio, já na criação. Padre Dehon, numa bela página, tem um olhar diferente: considera o Coração de Jesus como o “selo artístico de Deus” em toda a sua obra criadora.
“Deus é artista. O artista tem um ideal e se lembra deste ideal na criação de suas obras. Este ideal influi nelas. A arte grega tinha selecionados alguns modelos, obras mestras de seus grandes artistas que se chamam “tipos” ou “cânones” e que sempre foram imitados. Um músico tem seu tema principal, e sobre esta melodia “constrói” suas variações. Deus tinha seu ideal, seu tema central: o Coração de Jesus, e para encontrar formosa sua criação, pôs em todas as partes o selo do Coração de Jesus. Pensando nele, o Grande Artista quis que existisse cada aspecto da criação. “Assim foi… e viu que era bom” (Gn 1,9-10).
Pe. Dehon sublinha que o ponto culminante na manifestação de seu ideal na criação é o ser humano: “Deus quis criar os corações humanos como imitações débeis do Coração de Jesus. Esses tem sua semelhança e união como este Coração Divino”.
A partir de então, as mãos do Criador confiam nas mãos do ser humano para continuar a desenvolver a criação: “estes corações humanos agradarão a Deus se aderirem ao Coração de Jesus, se são animados da sua graça, da sua vida sobrenatural e se são inspirados, conduzidos e vivificados pelo Espírito Santo”.
O amor de Deus manifestado em toda a criação e particularmente na criação de cada pessoa é aprofundado e explicitado na Redenção quando o Coração de Jesus foi aberto na Cruz…
Somos convidados a contemplar, experimentar e, por sua vez, proclamar com ternura que a vida é muito mais do que o que o mundo ensina. Pe. Dehon conclui sua reflexão afirmando: eis, então, o programa e o ideal da minha vida. Que coisa mais nobre e bela! Deus viu que sua obra era boa!

______________________

1 Carta do Papa Bento XVI sobre o culto ao Coração de Jesus dirigida ao Padre Peter-Hans Kolvenbach, Prepósito Geral da Companhia de Jesus no qüinquagésimo aniversário da Encíclica “Haurietis aquas” (Beberrão águas) com a qual o pontífice promovia o culto ao Coração de Jesus. Vaticano, 15 de maio de 2006.

2 Texto publicado em Páginas Dehonianas: la espiritualidad del Sagrado Corazón, n.35, p.1. Autor: Hno. Diomar Romaniv, scj.

Pe. Francisco S, scj


Nome


E-mail






Ass. Dom Couto
CATÓLICO ORANTE
Curta, Compartilhe, Divulgue
90 anos junto ao Coração
Paróquia SVF - Formiga MG

Jornada Mundial da Juventude
NOSSAS COMUNIDADES
Diocese de Luz
Mural de Recados

Warning: Creating default object from empty value in /home/vicentef/public_html/site/wp-includes/comment-template.php on line 855
simonialves
01.04.2013 - Segunda-Feira
pe.AURELIO. gosto do seu jeito simples, popular de ser, tem a sabedoria de expresar com as pessoas e fazer a homilia de maneira que chegue no coração, fazendo coomprender a palavra, pessoas de toda classe social. Abraços no seu coração,te admiro. Deus abençõe. simone.

Warning: Creating default object from empty value in /home/vicentef/public_html/site/wp-includes/comment-template.php on line 855
Leticia Lopes Camargos
09.12.2012 - Domingo
Pe. Aurelio. Ha 23 anos o senhor foi convocado. vocado e tbem provocado a fazer parte da vinha do Senhor. E para nossa alegria nos o temos como Paroco de nossa paroquia. Que o Deus misericordioso propicie ao senhor Prodigiosas bençaos. Parabens

Warning: Creating default object from empty value in /home/vicentef/public_html/site/wp-includes/comment-template.php on line 855
Leticia Lopes Camargos
04.08.2012 - Sádado
Parabens para todos os sacerdotes da Paraquia Sao Vicente Ferrer. Que todos tenham a santidade e sabedoria de São Joao Maria de Vianney. Que todos sejam ricamente abençoados em seus ministerios.

Warning: Creating default object from empty value in /home/vicentef/public_html/site/wp-includes/comment-template.php on line 855
Leticia Lopes Camargos
05.07.2012 - Quinta-Feira
Deixo meus votos de felicidades

Warning: Creating default object from empty value in /home/vicentef/public_html/site/wp-includes/comment-template.php on line 855
Leticia Lopes Camargos
05.07.2012 - Quinta-Feira
Pe . Julio. Desejo neste dia tão especial para vc prodigiosas bençaos de Deus. Que Ele em sua infinita bondade lhe proporcione muita saude, felicidade harmonia e paz. Que o Senhor o faça crescer cada vez mais em espiritualidade e dinamismo. Suas homilias saõ ricas em ensinamentos. Parabens!!!! ,
Como chegar na Paróquia
Facebook
Paróquia São Vicente Ferrer
Diocese de Formiga/MG
Clique aqui e fale conosco
Copyright 2014 - Paróquia São Vicente Ferrer - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Agência Católica | Comunicação a Serviço de Deus
Website desenvolvido por Agência Católica
Qualidade e Profissionalismo a Serviço de Deus